sábado, 18 de maio de 2013

Psicodiagnóstico como e o que fazer?


    
  Novamente atendendo á pedidos de alunos de Psicologia que as vezes encontram=se sem respaldo e um pouco perdidos em seus primeiros atendimentos vou falar a respeito do tão temido  Psicodiagnóstico.Li vários livros  e sites na web então vou tentar colocar de forma resumida tudo bem simples. 
o psicodiagnóstico nada mais é do que uma entrevista e uma devolutiva com o numero certo de sessões pré dirigidas. 
A entrevista psicológica é um instrumento que  fundamenta  o trabalho do psicólogo e  se diferencia das outras formas de entrevista devido a seus objetivos puramente psicológicos (investigação, diagnóstico, terapia, etc.) Podemos considerar  dois tipos fundamentais de entrevistas para realizarmos no Psicodiagnóstico sendo a entrevista  aberta e entrevista  fechada. Para entendermos irei falar rapidamente de cada uma sendo que a entrevista aberta há uma maior flexibilidade, pois o entrevistador conduz o curso das perguntas de acordo com a necessidade e o caso podendo seguir as perguntas preparadas , mas investigando com maior intensidade outras coisas que não há no questionário inicial , em contra partido  da entrevista fechada onde tanto a ordem quanto a maneira de formular as perguntas já estão previstas e não podem ser alteradas de maneira nenhuma, se segue exatamente as perguntas estabelecidas e não se pergunta mais nada.
Ai está um erro para os iniciantes da Psicologia em seu primeiro Psicodiagnóstico, pois temos que lembrar que estamos trabalhando com pessoas, e essas pessoas tem histórias , medos, e coragens diferentes, e que não se encaixa somente em uma sequencia de perguntas básicas, nós como psicólogos temos que ter as perguntas semi dirigidas para nos nortear no psicodiagnóstico e colher importantes informações , porém não nos fixarmos só nelas, temos que nos abrir e ter a escuta do que o paciente está nos trazendo, e não simplesmente preencher os papeis de clinica com as perguntinhas básicas.
Quanto aos objetivos da entrevista psicológica podemos observar variadas formas, como:
Anamnese: tem por objetivo reconstruir a história do sujeito
Orientação:levantar suas aptidões 
Arguição Oral: tem por objetivo sondar seus conhecimentos. 
Entrevista preliminar a uma psicoterapia: objetiva contribuir para o diagnóstico do paciente , para a indicação de um possível  tratamento ,ou para um encaminhamento técnico anterior a psicoterapia. 
Aconselhamento Psicológico: Ajudar o sujeito a enfrentar uma dificuldade pontual em sua  existência;
A entrevista pode ser solicitada pelo próprio paciente  (entrevista clínica, aconselhamento), pelo psicólogo (enquete, sondagem de opinião, estudo , pesquisa cientifica) ou por um terceiro (medico, empregador, professor).
     
   Para Bleger(1998) 
        "A Entrevista psicológica  consiste em uma relação humana na qual um dos integrantes
 deve procurar saber o que está acontecendo e deve atuar segundo esse conhecimento"

Em Psicologia Clínica, o diagnóstico é um passo anterior à psicoterapia, tendo como objetivo investigar os recursos e dificuldades do indivíduo e indicar a intervenção apropriada. Realizar um psicodiagnóstico constitui uma dos trabalhos fundamentais do psicólogo. Sob essa denominação,são realizadas atividades muito diferentes que podemos observar   quanto aos objetivos e modelos teóricos que o profissional utiliza .
. Em nosso país, é uma das funções exclusivas do psicólogo garantidas pela Leinº 4119 de 27/08/62, que dispõe sobre a formação em Psicologia e regulamenta a profissão de psicólogo.
   Segundo Trinca (1984
 "na avaliação psicológica houve uma procura de integração entre as  diversas abordagens
 e quando olhamos  para a Psicologia Clínica,verificamos grandes variações
 de conhecimentos e atuações, que,reflete , na prática do psicodiagnóstico,
 temos também várias formas de atuação, muitas das quais não podem ser consideradas
 decorrentes de exclusivamente uma ou outra abordagem."

Objetivos 


1) Objetivo de elucidar o significado latente e as origens das perturbações;
2) Ênfase na dinâmica emocional inconsciente do 
paciente e de sua família;
3) Consideração de conjunto para o material clínico;
4) Busca de compreensão globalizada do paciente;
5) Seleção de aspectos centrais e nodais para a compreensão dos focos de angústia, das fantasias e 
mecanismos de defesa;
6) Predomínio do julgamento clínico, implicando no 
uso dos recursos mentais do psicólogo para avaliar 
a importância e o significado dos dados;
7) Subordinação do processo diagnóstico ao pensamento clínico: ao invés de existir um procedimento uniforme, a estruturação do psicodiagnóstico depende do 
tipo de pensamento clínico utilizado pelo profissional;
8) Prevalência de métodos e técnicas de exames fundamentados na associação livre, como entrevista 
clínica, observação, testes psicológicos utilizados 
como formas de entrevistas, cujos resultados são 


 cabe-me  fazer algumas considerações:
1. O psicólogo alcança uma compreensão do paciente , à medida que a
relação interpessoal se desenvolve;(aliança terapêutica) 

2. O psicodiagnóstico não se encerra no momento em que o psicólogo alcança uma
"compreensão"  da patologia do paciente . Quem deve compreender e compreender-se é o próprio paciente . Um laudo de psicodiagnóstico não tem nenhum valor como peça arquivada na pasta do paciente . Não se faz psicodiagnóstico para elaborar um laudo, mas para retorná-lo ao paciente, e faze-lo olhar para si mesmo e a hipótese da patologia. 

3. Não se faz psicodiagnóstico para encaminhar.
 O encaminhamento pode até ocorrer se necessário porém  o psicodiagnóstico não deve ser visto como uma instância que precede o atendimento e que vai definir de que tipo de atendimento o paciente está  precisando no momento . Mudanças na percepção de si e nos padrões de interação do paciente  devem ocorrer. Por isto se afirma que, embora não se confunda com uma terapia, o psicodiagnóstico tem efeito terapêutico. 

4. A função do psicólogo no psicodiagnóstico é a de criar um clima propício para que o
paciente ou parceiro terapêutico  possa entrar em contato com sua experiência, abrindo-se para uma percepção mais completa e congruente de si e, como decorrência, para novas formas de pensamento . O psicólogo cria um clima propício na medida em que, por suas atitudes  de aceitação e aliança terapêutica sejam firmadas , a partir do  respeito, de empatia, congruência e consideração  positiva pelo cliente, contribui para reduzir a contra-transferência  inerente à situação, facilitando, assim, o processo de descoberta do psicodiagnóstico do paciente.

5. A DEVOLUTIVA para o paciente : os autores que escrevem sobre psicodiagnóstico se referem a esse momento como entrevista de devolução de informação , transmissão
de resultados . Proponhamos então  chamá-lo de comunicação da compreensão , devolutiva ou então de  retorno para ao paciente
Assim, reconhece-se o paciente  como  sujeito  do processo psicodiagnóstico 
Esta devolutiva tenta  mostrar ao paciente  tanto os aspectos de  crescimento como os que dificultam seu desenvolvimento e ainda, os recursos de que  dispõe para superá-los, traçando pontos positivos e negativos em sua personalidade que podem ser trabalhadas. "O diagnóstico procura dizer em que ponto de sua existência o  indivíduo se encontra e que feixe de significados ele constrói em si e no mundo" (Augras, 1981).

6. A comunicação da compreensão/retorno para o cliente não ocorre apenas no final do
processo de psicodiagnóstico . Ela acontece também, pouco a pouco,  ao longo dos atendimentos , à medida que o psicólogo colhe dados do paciente   a compreensão que vai alcançando das vivências que este lhe traz vão sendo estudadas, compreendidas e devolvidas pouco a pouco. 
O psicodiagnóstico pode comportar a utilização de diversas técnicas de avaliação
psicológica, podendo citar testes de personalidades, atenção concentrada, entre outras que é ferramenta do psicólogo com o intuído de avaliação. 
após a conclusão do psicodiagnóstico o Psicologo estabelecerá técnicas a serem aplicadas, e a partir dessa iniciará seu atendimento psicoterápico. 
  
lembrem sempre de se basear no código de ética do Psicólogo para proteger a identidade de seus pacientes, e sua integridade, e BOM TRABALHO! 

7 comentários:

  1. eita coisa boa! Adorei valew che!

    ResponderExcluir
  2. nossa Quem é o(a) autor(a) desse Blog? Muito bom tah de parabéns, peguei mta coisa daqui tá bem explicadinho! obrigado!

    ResponderExcluir
  3. vc dá palestra?, entrei em contacto com seu e-mail por favor responda!

    ResponderExcluir
  4. !!maravilhoso esse blog!!!!

    ResponderExcluir
  5. Perfeito! Parabéns ao dono do blog!

    ResponderExcluir
  6. Amei a forma clara e explicativa da abordagem sobre o assunto,que mesmo para quem ler ou leu livros a respeito dos mesmo, encontra dificuldades de compreensão. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. ESTÁ ME AJUDANDO MUITO A COMPREENDER MELHOR SOBRE PSICODIAGNÓSTICO E OBVIAMENTE SOBRE OUTROS ASSUNTOS REFERENTE AO CURSO DE PSICOLOGIA. PARABÉNS!!

    ResponderExcluir