quarta-feira, 1 de maio de 2013

EXPERIMENTO-PILOTO: SONHAR E RE-SONHAR: TRABALHANDO SONHOS NA GESTALT-TERAPIA. -

EXPERIMENTO-PILOTO: SONHAR E RE-SONHAR: TRABALHANDO SONHOS NA GESTALT-TERAPIA.





CHEIZA CRISTINE PELLATE (Ao centro com o Microfone) 
 LAIRE OKIMURA KADENA,(ao lado de Cheiza)
 ROSANA FORTUNATO MODESTO (lado de laire)
ARIANE CRISTINA DA SILVA, (Ao lado de Rosana)
TAMYRIS VILLELA DE MELLO(Ao lado de Ariane)
 EVERLI FERNANDA PEREIRA DE ANDRADE (de lado)
trabalho publicado no Congresso de Psicologia 



(VERSÃO PARA A INTERNET COM MODIFICAÇÕES) *


INTRODUÇÃO


PERLS (1977) considera que antes de procurarmos as coisas que porventura estejam por detrás, melhor faremos se focalizarmos nossa atenção no que está ali, dado, presente, visível. Além de que, nisto que está aí, neste óbvio, certamente também estão presentes elementos do que possa estar por detrás.      A Gestalt-terapia é uma atitude de re-descobrir aquilo que está ali, é uma atitude de lidar com o novo como novo, é uma atitude de nada afirmar nem negar.

Segundo Perls sob o contexto ele diz que   o homem sempre está em processo de desenvolvimento. Trabalhamos para promover o processo de crescimento e desenvolver o potencial humano;assim, integrando as partes conhecidas e desconhecidas, partes que aceitamos e negamos em nós mesmos, vamos nos tornando aquilo que realmente somos e, consequentemente, a vida flui de forma mais saudável. “Nós fazemos isso apoiando os interesses, desejos, e necessidades genuínas do indivíduo”, (PERLS, 1977, p.19).

 Para YONTEF, (1998) é importante que o indivíduo assuma suas responsabilidades diante de suas escolhas, diante de sua vida, conforme ele vai se conscientizando de suas escolhas, de seu modo de viver, é possível, então, realizar mudanças, pois através do contato, a mudança simplesmente ocorre.

 RIBEIRO (1985), afirma que a Gestalt é: é um apelo interno de desvendar-se, de se deixar descobrir, tocar, analisar. Este autor acrescenta:

“Heidegger dizia que encarregar-se de alguma coisa, de uma pessoa, significa ouvi-la, quere-la. É o que estamos tentando fazer: ouvir o ser querê-lo, penetrar no ser através da Gestalt que ele é descobrir-lhe a proveniência, para sentir o como do seu” deixar de ser”.
                                                   (RIBEIRO,1985. pág. 31)

"Os sonhos são considerados um caminho para a integração de aspectos da personalidade, pela integração das diversas partes que o compõem. . O trabalho com sonhos é delimeado como um experimento, no qual o cliente é levado a experenciar e explorar seu sonho, orientado pelas intervenções do psicoterapeuta" (Pereira, 2002).

"O trabalho com os sonhos não consiste simplesmente em associar palavras ou idéias, muito menos construir hipótese, mas perceber com todos os sentidos em meu corpo e em minhas emoções o impacto das imagens, eventualmente encenadas e assim permitindo-se experenciar a encarnaçao do verbo aqui e agora" ( Ginger; Ginger, 1995).

"Apesar dos sonhos parecerem absurdos eles são a expressão mais espontânea da nossa existência. Perls considerava o sonho como uma obra de arte, esta sempre cheio de movimento, luta, encontros e outros tipos de coisas e acreditava que todas as partes do sonho são fragmentadas da nossa personalidade. E o trabalho do sonho, consiste justamente em reintegrar essa parte, para voltar a inteireza ou totalidade humana, assim ressumiria as partes projetadas e todo o potencial oculto que aparece no sonho "( Agrassar; Cunha, 1992).
Segundo Agrassar e Cunha (1992), observa-se que cada parte do sonho é um aspecto que se revela a respeito da pessoa que está sonhando, portanto, é essencial que ela vivencie cada parte de seu sonho. É necessário transformar-se, identificar-se com cada coisa, com cada sensação, com cada pessoa, de forma que o cliente torne-se a coisa, a sensação, a pessoa.

2-OBJETIVO
O objetivo deste artigo é apresentar os resultados obtidos através do experimento realizado com o processo de sonhar e re-sonhar utilizado pela Gestalt-terapia, como forma do indivíduo experienciar e re-vivenciar seus sonhos.

3-METODOLOGIA                              
Este artigo foi elaborado através de  alunas do Curso de Psicologia em 2011 , utilizando-se um levantamento bibliográfico sobre o tema sonhar  sonhar-resonhar, onde por orientação da Dr. docente responsável , fora aplicado em ambiente clinico em um individuo que se predispôs para que as alunas pudessem aplicar o experimento.

4-PARTICIPANTES.
As aplicadoras do experimentos são alunas do curso de Psicologia da FAEF/ FASU, constituído por seis alunas do sexo feminino com idades medianas a 25 anos.

5-O EXPERIMENTO
Possibilitar o contato de possíveis conflitos vivenciados nos sonhos revivenciando-os no aqui-e-agora no ambiente clinico sendo integral para análise e estudo

 dos discentes 

5.1- Descrição do experimento:
Inicialmente pedimos para que o sujeito (1) contasse se sonho da forma que ele queira, onde fora colocado em suas palavras e seu modo subjetivo de contar.

Sob segunda etapa fora pedido para que o sujeito presentificasse este sonho, contando em forma clara no presente.

Logo após o sujeito contar no presente o sonho ele arrumará o palco do sonho, onde colocará de forma que ele queira alguns objetos, pessoas que estão no seu sonho.

Após o palco dos sonhos, o sujeito fará a cadeira quente e cadeira vazia, para avaliar uma mensagem existencial de seu sonho.


6- PREPARAÇÃO
Para preparação do ambiente físico, foram usada uma sala da clinica escola CEPPA, onde efetivamos o experimento, também foram usado cadeiras, almofadas, rádio e musica.

7- EXECUÇÃO
O sujeito (1) primeiramente posicionou-se na frente do grupo e contou o que acontecera na semana e o porque do sonho:
“Eu estava tão preocupado com o sonho, mais que sonho eu vou contar?
Estou preocupado com o sonho dês de sábado, para falar a verdade para vocês, chegou na terça e eu não tinha sonhado ainda, e eu falei será q vai sair esse sonho?Eu sonhei e perguntei, porque será esse sonho?”É esse o sonho que eu tenho que contar pra vocês”

7.1-O sujeito descreveu o sonho da seguinte maneira:
“Se passou na escola agrícola, em baixo de uma arvore frondosa , tinham montes de entulho e onde num determinado lugar tinha um cachorro, e haviam rapazes ali fazendo curativo nele,jogando um Spray para curar os machucados.E eu estava vendo aquilo e percebi que o cachorro era da (J*) a e ela limpava com muito zelo o cachorro, ela apertou a pata traseira do animal e saiu um berne, eu levantei pra pegar o carro e encostei perto deles para pegar o cachorro e quando eu encostei o carro eu acordei.”

7.2 Colocando o sonho no presente:
“Eu , estou agora perto de uma grande arvore, e vejo alguns entulhos, estou  agora chegando perto de um cachorro em que os meninos estão curando,com um Spray de remédios, em que posso ver as perfurações do cachorro, vejo a orelha cortada do animal, vejo perfurações por todo o corpo, agora e vejo a (J) que suponho que seja a dona do cachorro, e ela agora está  apertando um carossinho na pata traseira do cachorro  que   é um berne,ao ver isso  eu levanto para pegar o carro , e agora eu estou dirigindo o carro  e encosto  o carro para levar o cachorro, eu acordei.”

7.3- Montando o Palco dos Sonhos do sujeito:
Fora pedido que o sujeito (1) montasse o palco dos seus sonhos como quisesse e o sujeito elaborou da seguinte maneira:
Montou 3 cadeiras uma em cima da outra para a representação da arvore.
Colocou uma almofada no chão amarela, representando o cachorro.
E por fim colocou 3 almofadas do lado da arvore representando os entulhos.

7.4- Cadeira quente , cadeira vazia:
(sujeito pergunta para o cachorro)
_onde você andou,  o que  você fez pra acontecer isso com você?
(cachorro respondendo para o sujeito)
-olha , eu passei em uma quebrada, e me jogaram pedra, e eu comecei a reagir, e quando eu fiz isso os donos do pedaço começaram jogar pedra e todo mais.
NA SUA VIDA TEM ALGUÉM T JOGANDO PEDRA? ALGUÉM NA FAMÍLIA?
(intervenção d aluna)
(resposta do sujeito)
-uma das coisas q me lembra pedra, nas pedras q me atiram eu construirei minha casa!Eu acho q não tem ninguém me jogando pedra na minha família, quem esta jogando pedra sou eu mesmo.
(cachorro pergunta pro sujeito)
_ porque você está se mesmo jogando pedra?
(sujeito para o cachorro)
- o “dog” eu não posso achar não,  mas tem muita gente tirando sua esperança, aquelas pessoas não confiam naquilo q eu possa fazer, é como se estivessem  puxando meu tapetinho.
(sujeito para o cachorro)
_Mostre pra eles que você pode e você consegue!
(sujeito falando sobre uma reflexão para o cachorro)
_Eu ontem escrevi um negocio no caderno, e coloquei que “Aprender é uma arte, e ensinar é uma arte dupla”, as vezes você tem q ensinar com o q ele tem e com o que você  faz ele aprender.Cada um aprende como pode!

7.5- Reflexão
Pegue todo isso q você passou hoje, leve pra dentro de você e força, podem puxar seu tapete, mas você ainda terá seus dois  pés.!


RESULTADOS
Pudemos observar que o individuo trouxe  questões de sua vida e ele próprio concluí que este experimento mexe com o “eu” interno, o resultado do experimento aplicado em Gestalt-terapia é de tamanha importância para a compreensão da vivencia do sujeito no aqui e agora.

CONSIDERAÇÕES
Para finalizar temos de ressaltar que o experimento de sonhar e re-sonhar é extremamente complexo e exige que todos do grupo saibam de fato técnicas de gestalt-terapia, devido a esta técnica estar ligada com outras pode-se observar o nível de complexidade.
O experimento foi aplicado com sucesso, e durante o mesmo podemos observar  que o sujeito relacionava o sonho com a realidade em vários momentos, o que concretizava a mensagem existencial do experimento, relacionando a gestalt envolvida no aqui e agora.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Alberto Pereira Lima Filho, Gestalt e sonhos. Summus Editorial, 2ª edição. 2002.

GINGER,S e GINGER, A. Gestalt: Uma terapia do contato. São Paulo. Summus, 1995.
AGRASSAR, J. S e CUNHA, S. V. B. Os Sonhos, Segundo a Gestalt-Terapia. 1992. 34f. Trabalho de Conclusão de Estágio (Formação Psicólogo) - Centro de Psicologia Aplicada, União das Escolas Superiores do Pará. Belém, 1992.
Ribeiro, J. P. (1999). Gestalt-Terapia de Curta Duração (2° Ed.). São Paulo: Summus.

Gestalt-Centro, 1997: igestaltcentro@gmail.com

GINGER, S; GINGER; A. Gestalt: uma terapia do contato. São Paulo: Summus, 1987.

KIYAN, A. M. M. E a Gestalt emerge: vida e obra de Frederick Perls. São Paulo:
Altana, 2001.

PERLS, F. org. Isto é Gestalt. São Paulo: Summus; 1977.

RIBEIRO, J. P. Gestalt-terapia: refazendo um caminho. São Paulo, 1985.

YONTEF, G. M. Processo, diálogo e awareness. São Paulo: Summus, 1998.

4 comentários:

  1. AIII Q MARAVILHA! VC N SABE COMO É DIFICIL ENCONTRAR COMO APLICA REALMENTE OS SONHOS! MTOO OBRIGADA! O EXP DE VCS É O MAXIMO PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada pessoal pelos comentários, isso motiva a continuar escrevendo sempre!!! Att.

    ResponderExcluir
  3. tava dificil de achar esse experimento viu , valew, bem trabalhado! bem explicado! mto bom!

    ResponderExcluir